terça-feira, 27 de janeiro de 2009

O dom da imaginação

Você já chegou a pensar que temos imaginação, que nossa mente humana é capaz de criar seu próprio universo interno, para que possamos aliviar nosso sofrimento? Quem sabe em algum ponto da evolução a natureza viu que seria dureza para os seres humanos carregar seus sentimentos e não poder fugir deles em algum momento. A sábia mãe natureza arquitetou uma maneira de nós podermos ficar longe de sentimentos para que eles não acabassem com a nossa sanidade. Seria uma maneira de balancear as coisas, de não deixar um lado pesar mais que o outro. Surge então o equilíbrio, não o equilíbrio perfeito, mas um equilíbrio bem intencionado. Temos que dar o braço a torcer para a mãe-natureza. Quando adentramos o campo minado das emoções, há um lugarzinho onde podemos nos abrigar de forma segura e confortável. Deite-se aí e tenha um bom sono.

Acho que a natureza previu também que alguns espécimes de ser humano não seriam fortes o bastante para lidar com o mundo do jeito que ele é. Alguns seriam mais sensíveis às verdades desagradáveis que proliferam pelo mundo e precisariam de um escudo, um anteparo, para não pegar uma avalanche delas todas de uma vez. E voilá! Eis que a imaginação e o devaneio surgem em cena para ajudar os pobres-diabos.

Por que os animais não têm imaginação? Porque não precisam lidar com as estranhezas do mundo, não precisam refletir sobre elas, não são afetados por elas. Pra que se refugiar em algum lugar se você não tem do que fugir? Eles são guiados pelo instinto e o instinto torna tudo relativamente mais fácil. E se o ser humano agisse assim? Então, nada seria tão complicado. Bastou adquirir a incrível capacidade de pensar para tudo se tornar complicado. Há um sentido em tudo isso? Há um sentido em tudo o que acontece no mundo? Aonde tudo isso nos leva? Se não há sentido, então, ah, meu Deus, milhões, talvez bilhões de pessoas, vão se entristecer. Pois bastou adquirir a incrível capacidade de pensar para ficar deprimido quando nada parece ter razão de ser.


...

Texto doidão, né? Mais reflexivo impossível. Mas não se preocupem, pessoas, eu não vou me matar, hehe. Até a vista.


3 comentários:

Zé Abrão disse...

e foi daí que surgiram, livros, filmes e tudo o mais - sem fundos lucrativos, no início - e vc acertou em cheio, a imaginação alivia, quem nunca teve sonhos de grandeza ou se pegou imaginando mil fantasias? Se bem que realizar una cosita o otra é a parte mais legal.

Carlos Sidinei disse...

Adicionei teu blog aos links do meu.

abç

Nataly Callai. disse...

A imaginação, a ficção, é um mundo paralelo mesmo. talvez mais possível do que esse em que a gente vive. e procurar a razão de ser das coisas, é meio caminho para a frustração.

gostei do texto, te lerei mais vezes! :)